Peixes abissais, incríveis criaturas marinhas

O fundo do mar sempre despertou admiração e respeito. Ainda há muito a descobrir nesse mundo, mas cada vez mais espécies de peixes abissais com incríveis adaptações à escuridão estão sendo encontradas.

Os peixes abissais fazem parte dos habitantes das profundezas marinhas e oceânicas. Essas espécies aquáticas desenvolveram diferentes adaptações ao longo do tempo para aproveitar os recursos limitados disponíveis.

No entanto, muitas dessas obras de engenharia evolutiva são reconhecidas apenas por sua aparência monstruosa. Você sabia que os peixes inferiores têm características muito mais interessantes do que suas formas estranhas? Não fique com a dúvida e leia o que te contamos.

Como os peixes abissais sobrevivem?

Em primeiro lugar, é necessário explicar o que são os peixes abissais e quais são as suas características. Por mais curiosos que possam parecer, eles são pouco conhecidos do público ou são chamados erroneamente de “peixes monstruosos”. Essa falta de conhecimento tem uma solução fácil, pois aqui vamos contar algumas das características mais interessantes desses animais.

1. Os peixes abissais habitam a zona abissal e são reconhecidos por sua aparência

Os peixes abissais são aqueles que habitam a zona abissal do fundo, ou seja, áreas localizadas entre 100 metros e 4000 metros de profundidade. Essa profundidade condiciona suas vidas, pois eles estão expostos a fatores muito específicos e limitantes, como os seguintes:

  • Ausência de luz solar.
  • Ausência de organismos vegetais.
  • Altas pressões.
  • Baixas temperaturas.
  • Baixas concentrações de CO2.

2. Reconhecidos por sua aparência

Vivendo exposta a essas circunstâncias, a fauna da zona abissal desenvolveu diferentes mecanismos de adaptação. Dentre estas, destacam-se as modificações em sua membrana celular, as taxas metabólicas únicas e os mecanismos de flutuabilidade.

Apesar de terem se adaptado tão bem a esse ambiente hostil, eles são mais conhecidos por seu aspecto, já que a maioria das espécies tem uma aparência considerada ‘monstruosa”. Assim, seu plano corporal se caracteriza por normalmente apresentar uma série de características, tais como:

  • Tamanho pequeno: embora alguns exemplares possam apresentar gigantismo, é comum que nas profundezas marinhas o tamanho físico seja reduzido.
  • Corpos macios com olhos pequenos e dentes grandes e afiados.
  • Brânquias bem desenvolvidas: devido às condições de baixo CO2 dissolvido na água, as brânquias desses peixes devem aproveitar ao máximo as condições em que se encontram.
  • Estômago elástico.
  • Reprodução lenta.

Segundo especialistas, a aparência física desses animais é adaptada às condições de vida extremas das profundezas. Por isso, costumam ter formatos estranhos, mas que lhes permitem aproveitar ao máximo os recursos, já que não sabem quando voltarão a se alimentar.

Um peixe abissal bioluminescente.

 

3. Os peixes abissais suportam altas pressões e baixas temperaturas

Assim como nosso corpo se adapta à pressão para não ser esmagado pelo peso, o mesmo acontece com os peixes abissais. No entanto, eles estão expostos a altas pressões, que aumentam exponencialmente com o aumento da profundidade.

Além disso, esses seres vivos também enfrentam temperaturas que não chegam a 5 ºC, uma vez que a luz do sol não atinge essa zona. Apesar dessas condições climáticas terríveis, existem várias formas de vida além dos peixes abissais, como as bactérias.

4. Seu olfato é altamente desenvolvido, ao contrário da visão

Devido à ausência de luz, uma das características distintivas desses peixes são os olhos. Normalmente, esses órgãos podem ser pequenos ou pouco desenvolvidos, pois muitas espécies apresentam cegueira diante da contínua falta de luz.

No entanto, espécies com olhos grandes também foram descritas, por isso não se pode generalizar. Por outro lado, o olfato é bastante desenvolvido, pois é essencial para a alimentação desses animais.

Um detalhe marcante de todas as espécies que compõem a fauna abissal é que elas são claramente carnívoras. Todas adaptaram sua alimentação às condições de vida, mas os peixes abissais se destacam por suas mandíbulas, com as quais atacam e prendem suas vítimas.

Além disso, seu grande estômago é elástico e se adapta ao tamanho das presas, algumas das quais são do mesmo tamanho que o predador.

5. Bioluminescência e iscas

Como mencionado antes, na zona abissal os organismos não ficam expostos à luz solar. Portanto, entre seus habitantes, não há seres fotossintéticos. No entanto, na faixa de 200 a 4000 metros de profundidade, alguns seres vivos são capazes de produzir luz.

Eles são chamados de “organismos bioluminescentes” e o fenômeno que eles produzem é chamado de bioluminescência. No entanto, a maioria dos peixes abissais não são bioluminescentes por conta própria, embora possam usar iscas para atrair suas vítimas.

Para fazer isso, eles estabelecem uma relação simbiótica com bactérias bioluminescentes, com as quais atraem peixes desavisados. Essa é uma de suas estratégias de caça mais conhecidas, e o exemplo mais claro é o de M. johnsonii ou peixe-diabo negro.

Em relação a essa espécie, é importante notar que sua descoberta intrigou os cientistas, já que todos os exemplares encontrados eram fêmeas. No entanto, na realidade, os machos estavam grudados nas fêmeas como parasitas, usando assim o tamanho entre os dois sexos como a medida mais clara do dimorfismo sexual.

6. Existem muitas espécies de peixes abissais

Tendo visto as características dos peixes abissais, é necessário citar alguns exemplos que permitem a sua visualização. De acordo com o Census of Marine Life (CoML), esses espécimes que vivem em uma zona afótica — sem luz solar — giram em torno de 17 mil espécies intimidantes.

Normalmente, os peixes abissais estão localizados a partir de 1000 metros de profundidade. Entre os espécimes mais comuns desses animais estão o krill ou os camarões. Em todo caso, é importante destacar que algumas espécies podem habitar profundidades que ultrapassam os 6000 metros.

Essa região é conhecida como “zona hadal” e seus habitantes incluem a espécie Eurypharynx pelecanoides, que atinge 8000 metros. Outros, como a espécie Careproctus longifilis ficam entre 8000 e 9000 metros.

Os peixes do fundo do mar têm formas muito estranhas.

 

Um meio emocionante e desconhecido

Ainda hoje em dia, as profundezas marinhas abrigam muitos mistérios, pois uma parte significativa das águas profundas permanece inexplorada. Porém, graças aos pesquisadores, foi possível descobrir diferentes habitantes — como os peixes abissais — e ampliar o conhecimento ictiológico dos locais onde a luz se destaca por sua ausência.

Nesse sentido, foram relatadas algumas características desses animais, muitas das quais ainda suscitam questões sem resposta. A natureza é uma tela na qual podem ser continuamente descobertos detalhes fascinantes e surpreendentes em forma de seres vivos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *