Migração das borboletas-monarcas

  • por

As borboletas-monarcas, com suas cores brilhantes e migração anual épica, são uma das criaturas mais reconhecíveis da natureza.

As larvas da borboleta-monarca (Danaus plexippus) comem a casca do ovo do qual nascem. Todas as larvas de monarca se alimentam da planta de algodão em que nascem, no entanto, nem todas empreenderão a mítica viagem às terras mais quentes que as caracterizam.

Uma característica essencial da migração das borboletas-monarcas envolve a excepcional longevidade dos adultos migrantes. A geração “matusalém” tem uma grande resistência e longevidade de até nove meses, de agosto/setembro a março, enquanto suas contrapartes nascidas no verão provavelmente viverão menos de dois meses como adultas.

As borboletas-monarcas têm uma geração “matusalém” anualmente

As borboletas adultas migrantes entram em estado de diapausa reprodutiva. Ou seja, o desenvolvimento reprodutivo masculino e feminino é interrompido como resultado da supressão da síntese do hormônio juvenil.

Portanto, a longevidade da borboleta-monarca durante a migração está associada a dois fatores: o primeiro é a regulação endócrina, e o segundo está associado às propriedades ambientais dos locais de descanso durante a viagem.

Migração das borboletas-monarcas

A rota de viagem

Graças a essas características, essa borboleta pode resistir à sua viagem de ida e volta, pois pode percorrer até 4000 quilômetros do Canadá e do norte dos Estados Unidos até as florestas de Oyamel, no centro do México.

A migração das borboletas geralmente começa, aproximadamente, em outubro de cada ano, mas pode ocorrer mais cedo se o tempo esfria. Durante essa viagem, na primavera, as borboletas começam a acasalar no México. O retorno ao norte ocorre em meados de março. Atualmente, é possível ver a viagem das borboletas-monarcas no Google Earth.

A geração migratória de borboletas monarca conhecida como “matusalém” faz toda a viagem de norte a sul, incluindo a volta.

Como as borboletas-monarcas encontram seus locais de hibernação?

A orientação dos insetos não é bem compreendida. No caso das monarcas, esse mecanismo é especialmente misterioso. Como elas conseguem geolocalizar a pequena área que é seu destino nas montanhas do centro do México?

A primeira coisa é descartar a transmissão de informações entre gerações, já que a borboleta só migra a cada quinta geração. Portanto, é de se esperar que as monarcas confiem em seus sentidos para encontrar os locais de hibernação.

A ciência demonstrou que existem animais que utilizam os corpos celestes (o sol, a lua ou as estrelas) ou o campo magnético da Terra. Outros podem usar pontos de referência (cadeias de montanhas ou corpos de água), luz polarizada, percepção de energia infravermelha, ou alguma combinação desses sinais. De todos esses, os dois primeiros são considerados os sinais mais prováveis utilizados pelas borboletas-monarcas.

As borboletas-monarcas são os únicos insetos que migram anualmente para um clima mais quente a 4000 quilômetros de distância.

Para onde vão as borboletas-monarcas?

As monarcas que vivem no leste da América do Norte têm uma segunda casa nas montanhas da Sierra Madre no México. Entretanto, uma população, de 5% a 10%, de todas as monarcas que vivem no oeste da América do Norte passam o inverno na Califórnia.

O que há de tão especial no lugar onde elas passam o inverno?

As encostas das montanhas da floresta de Oyamel proporcionam um microclima ideal para as borboletas. Ali, as temperaturas variam de 0 a 15 graus centígrados. Ocasionalmente, se a temperatura estiver mais baixa, as monarcas serão forçadas a usar suas reservas de gordura.

A umidade na floresta de Oyamel garante que as monarcas não secarão, permitindo que conservem sua energia. O oyamel ou abeto sagrado (Abies religiosa) é um abeto nativo das montanhas do centro e sul do México. É uma conífera da família dos pinheiros e a árvore preferida da borboleta-monarca nos locais de hibernação no México.

Migração das borboletas-monarcas

A congregação das borboletas-monarcas tem bons motivos

É interessante saber que esses insetos se agrupam para se manterem aquecidos. Dezenas de milhares de monarcas podem se agrupar em uma única árvore. Embora essas borboletas pesem menos de um grama, dezenas de milhares são muito pesadas. As árvores de Oyamel geralmente são capazes de suportar os grupos de borboletas, mas às vezes os galhos quebram.

Além disso, as monarcas só viajam durante o dia e precisam encontrar abrigo durante a noite. Por esse motivo, elas se reúnem em locais de descanso. De fato, elas frequentemente escolhem pinheiros, abetos e cedros para descansar. Essas árvores têm copas grossas que moderam a temperatura e a umidade. Pelas manhãs, as monarcas tomam sol para se aquecerem.

site do café

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *