Doenças autoimunes em cães: o que é necessário saber?

  • por

Ao lidar com uma das muitas doenças autoimunes em cães, pode ser assustador não saber o que está acontecendo, principalmente porque muitas vezes elas são difíceis de diagnosticar e tratar.

 

As doenças autoimunes podem afetar pessoas e animais de estimação. Embora todos nós tenhamos uma vaga ideia do sistema imunológico, é comum não entendermos totalmente como ele funciona.

Portanto, podemos não ser capazes de descrever a localização dos órgãos ou visualizar suas funções. Isso acontece porque as células do sistema imunológico estão espalhadas pelos gânglios linfáticos de todo o corpo. Também estão no baço, no timo, nos pulmões, nos intestinos e em todos os órgãos do corpo. Essas células patrulham o corpo, circulando na corrente sanguínea.

Falhas imunológicas

Nas doenças autoimunes, o sistema imunológico ataca erroneamente os próprios tecidos do corpo. As células imunológicas são incapazes de distinguir as células saudáveis ​​normais do corpo das estranhas e, portanto, tentam destruí-las.

A causa desse “erro” ainda não é bem compreendida. Assim, a doença pode afetar apenas um sistema ou vários sistemas do corpo. Nesse sentido, pele, tecidos conjuntivos, nervos e músculos podem ser afetados, assim como o sistema endócrino (o sistema que controla os hormônios e outras substâncias químicas), as articulações, os glóbulos vermelhos e o sistema digestivo.

Falhas imunológicas

Quais fatores estão associados às doenças autoimunes em cães?

Atualmente, a ciência é incapaz de explicar completamente o que causa essas doenças. No entanto, em muitos casos, suspeita-se da genética do indivíduo. Nesse sentido, admite-se que haja uma maior incidência desse tipo de doença em algumas raças de cães.

Por exemplo, a tireoidite linfocítica ocorre com mais frequência nas raças Dogue Alemão, Golden Retriever, Cocker Spaniel, Bobtail e Beagle (para citar alguns). Deve-se observar que algumas dessas raças são suscetíveis a mais de um distúrbio imunológico, como os bobtails, que também têm tendência à anemia hemolítica autoimune.

Além disso, outros fatores como a exposição a certos medicamentos (antibióticos), infecções crônicas ou transmitidas por carrapatos, ou cânceres foram relatados. Outras infecções crônicas, como infecções das válvulas cardíacas e vertebrais (medula espinhal), também podem causá-las.

Dada a associação entre os antibióticos e essas doenças, muitos estudos apontam um desequilíbrio do microbioma intestinal como uma causa provável. Por fim, embora um vínculo definitivo não tenha sido estabelecido, as vacinas também têm sido implicadas no sofrimento desses tipos de doenças.

Tipos de doenças autoimunes caninas

Atualmente, existe um amplo espectro de doenças do sistema imunológico em cães. No entanto, na prática veterinária, as seguintes são registradas como as mais comuns:

  • Artrite: afeta as articulações, com presença dor e redução da mobilidade.
  • Trombocitopenia imunomediada: produzida pela destruição das plaquetas.
  • Ceratoconjuntivite seca: condição de “olho seco”.
  • Doença cerebral inflamatória: afeta principalmente cães de raça toy.
  • Pênfigo foliáceo: a mais comum de várias doenças associadas a distúrbios imunológicos da pele.
  • Doença inflamatória intestinal: produz inflamação crônica da mucosa intestinal.

Em todos os casos, o reconhecimento precoce é extremamente importante. Se não forem tratadas, as complicações das doenças autoimunes são graves e o envolvimento de vários sistemas é comum.

Quanto mais tarde as doenças autoimunes são tratadas, mais desafiadores e complicados se tornam o diagnóstico e o tratamento.

Quais sintomas podem alertar sobre um distúrbio no sistema imunológico?

É importante ter em mente que o cão deve ser constantemente examinado. Procure pequenos locais de sangramento na pele e nas gengivas, chamados petéquias. Também é necessário procurar por ulcerações nas patas, na pele, nos olhos e na boca. O aparecimento de áreas de alopecia e crostas deve ser registrado em qualquer área do corpo.

Vale ressaltar que alguns grandes aliados para a detecção precoce de lesões são os locais que oferecem serviços de banho e tosa de cães. Geralmente são eles que detectam hematomas, sangramento nas gengivas ou diarreia com sangue durante a tosa. São muitos os casos detectados por esses profissionais.

Todos os dias, é importante observar se há sangue na urina e nas fezes, ou se o nariz do animal está sangrando. Repare também se o seu cão apresenta olhos vermelhos e doloridos e secreção ocular espessa, semelhante a um muco.

Claro, mudanças de hábitos como perda de apetite, presença de letargia, fadiga e febre são outros alertas a levar em conta. Sintomas significativos como convulsões, cegueira, perda de equilíbrio ou coordenação e tremores também podem ocorrer.

Como se estabelece o diagnóstico e o tratamento das doenças autoimunes?

Em primeiro lugar, é necessário obter históricos médicos detalhados, analisar sangue e urina, além de colher amostras de tecido para uma biópsia. Radiografias, ultrassons e ressonâncias magnéticas também são realizados. Tudo isso para estabelecer um diagnóstico preferencial.

Ao mesmo tempo, o veterinário provavelmente prescreverá medicamentos para ajudar o cão a combater qualquer infecção, vírus ou alergia que possa estar causando os sintomas. Em geral, esteroides como prednisona são a primeira linha de tratamento.

O caso da vacinação

Não podemos perder de vista a controvérsia em torno das injeções de reforço de vacinação no aparecimento de doenças autoimunes em cães. Obviamente, ao estimular o sistema imunológico, as vacinas podem ter um efeito negativo em cães com doenças autoimunes.

Assim, os especialistas recomendam reduzir ao mínimo as vacinas ou interrompê-las. É comum fazer um teste de titulação de anticorpos no sangue. Este teste verifica se os níveis de anticorpos são suficientes para proteger contra doenças caninas, evitando o reforço.

Os casos em que não há remissão

É importante saber que, embora algumas doenças autoimunes tenham remissão sem recaída, outras podem durar a vida toda. Assim, para essas doenças graves que não respondem ao tratamento, um método chamado troca plasmática terapêutica (TPE) pode ser usado. Esse tratamento extrai o sangue do paciente e o filtra para eliminar os anticorpos que estão causando tantos danos.

Além disso, dado o papel do microbioma intestinal, podem ser fornecidas bactérias benéficas que faltavam no microbioma do cão. Estas são suplementos de restauração intestinal para cães. Essas cápsulas contêm material fecal cuidadosamente selecionado (sim, excremento) de cães doadores saudáveis. Esse procedimento é chamado de transplante de microbiota fecal.

Os casos em que não há remissão

Depois que um animal de estimação é diagnosticado com um distúrbio imunológico, é necessário ficar atento às recaídas. É importante fazer exames de saúde regulares e completos, e também relatar imediatamente ao veterinário quaisquer mudanças em seu nível de atividade ou condição física.

Para os responsáveis, a recomendação mais importante seria saber o que é normal para o cão. Dedique 10 minutos por dia para realmente examiná-lo, incluindo as gengivas. Se você encontrar algo de errado, aja rápido.

site do café

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *